Paço da Liberdade e seu entorno - Rara visão da Manaus da 'Belle Époque

O Paço da Liberdade, ou Paço Municipal, é um dos espaços mais antigos de Manaus. O prédio histórico, durante décadas foi sede da Prefeitura Municipal.  Uma beleza arquitetônica que remonta as origens da cidade. Quem visita o Paço Municipal, tem rara oportunidade não apenas em conhecer as artes modernas expostas no local, como também o privilégio de observar vestígios arqueológicos nativos.

 

O prédio, localizado na Praça D. Pedro II, s/n, Centro, depois que o Poder Executivo mudou de endereço, ficou ocioso, sendo sua reforma e revitalização finalizados no ano de 2012.

O Paço Municipal, data de 1871, quando foi lançada a pedra fundamental. Cinco anos depois, abrigou a sede do governo da Província do Amazonas. Em seguida, a sede do governo do Estado, após a Proclamação da República no Brasil. Foi, além disso, residência do presidente da Província (1874-1889) e de governadores do Estado (1889-1917). Em 1917, tornou-se sede da Prefeitura de Manaus.

O Paço Municipal possui amplas salas, divididas em diferentes seções, que abrigam exposições permanentes e temporárias. A fachada do prédio apresenta tendência neoclássica, com um frontão e janelas características.

Em uma das salas do Paço da Liberdade, foi instalado um memorial em homenagem ao poeta amazonense Thiago de Mello. O mural conta com um retrato esculpido em bronze do autor e textos de personalidades manauaras, como o escritor Zemaria Pinto, o artista plástico Óscar Ramos, o diretor-presidente da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult), Bernardo Monteiro de Paula, e o prefeito Arthur Virgílio Neto.

Com 2 metros de altura e cerca de 3 metros de largura, o painel também traz trechos de obras do poeta, como o famoso “Os Estatutos do Homem”, lido na promulgação da Constituição de 1988. O mural integra a Coleção Thiago de Mello, composta por 30 quadros doados pelo poeta, entre os quais obras do espanhol Juan Miró e do chileno Roger Bru, em exposição no Paço da Liberdade.

Outras dependências internas, abrigam exposições de artes plásticas, entre pinturas, esculturas e instalações artísticas. Uma dessas instalações é de criação do artista plástico Roberto Evangelista, um dos mais renomados do Estado, a Sala do Artista Evangelista, também integra o acervo, e uma sala de videoarte da série “Mater Dolorosa”.

A Sala de Arqueologia

Um outro espaço relevante é a Sala de Arqueologia, onde se pode observar de cima de um piso de vidro resistente, com iluminação especial, fragmentos arqueológicos e uma urna funerária encontrada durante as obras realizadas no local.

A urna, estimada com datas entre 2 e 7 mil anos, é um exemplar de como os povos nativos pré-colombianos enterravam seus mortos e prova concreta do passado indígena de Manaus.

Salão Nobre

Há ainda, ao lado da Sala de Arqueologia, ambientes com mobiliário de estilo manuelino, muito usado nos anos 1910 em Manaus, que compunham o gabinete do prefeito. No Salão Nobre, o principal do prédio, belíssimas molduras em relevo circundam os retratos dos prefeitos que estiveram à frente do Poder Executivo. No teto, um trabalho impressionante de relevo do escudo que simboliza a Prefeitura de Manaus e da vitória-régia, símbolo da flora amazônica.

Arredores

Ao redor do Paço Municipal há outro importante prédio histórico, o Palácio Rio Branco, antiga sede da Assembleia Legislativa do Amazonas. Atualmente, o prédio, ainda imponente, abriga administrações de alguns órgãos públicos municipais e um gabinete onde o atual prefeito Arthur Virgílio dá expediente ocasional. Em frente ao Paço está uma das mais importantes praças da cidade, a Praça Dom Pedro II, que também passou por reforma, sobretudo em seu coreto e em seu chafariz. Ao lado do Paço Municipal, encontra-se uma das mais antigas vias da cidade, a Bernardo Ramos, com rua de paralelepípedos e um conjunto pitoresco de casas coloridas.